Menu

Linux Libre para Debian, Ubuntu e derivados

O kernel Linux Libre é um kernel 100 % livre de impurezas, se você não gosta de software proprietário confira essa matéria.











Linux Libre



Linux, o kernel desenvolvido e distribuído por Linus Torvalds, contém Software não-Livre, ou seja, software que não respeita suas liberdades essenciais, e induz você a instalar software não-Livre adicional que ele não contém.

Mesmo depois de supostamente mover todo o firmware para um projeto separado a partir do release 4.14, as chamadas "fontes" publicadas pelo Sr. Torvalds ainda contêm firmware não-Livre disfarçado de código-fonte.

GNU Linux-libre é um projeto para manter e publicar distribuições 100% gratuitas do Linux, adequadas para uso em distribuições gratuitas de sistemas, removendo software incluído sem código fonte, com código-fonte ofuscado ou obscuro, sob licenças de Software Livre, que não permite que você altere o software para que ele faça o que você deseja, e isso induz ou exige que você instale peças adicionais de Software não-Livre.

Nossos lançamentos podem ser facilmente adotados por distribuições 100% livres do GNU / Linux, assim como por seus usuários, por distribuições que querem permitir que seus usuários escolham liberdade, e por usuários daqueles que não o fazem.

Fonte





blobs



O problema todo descrito acima pela GNU se refere a blobs, veja abaixo do que se trata.

Binary Blob é um termo usado em certos projetos open source para descrever um código objeto para o qual não se disponibiliza o seu código-fonte. Em certos sistemas operacionais como o GNU/Linux e BSDs, o termo refere-se a drivers parciais ou completos de determinados dispositivos, provenientes de companhias como ATI Technologies e NVIDIA, manufaturados para funcionamento de certas características do dispositivo (como aceleração de vídeo).

Tais blobs podem ser um ponto conflitante entre comunidades de software livre e/ou de código aberto e usuários comuns de sistemas operacionais, já que blobs providenciam suporte para hardwares populares e ao mesmo tempo proíbem expressamente o direito de ler, modificar e redistribui-los e, portanto, de ter total controle do sistema operacional.

O projeto OpenBSD, devido ao enfoque na segurança, tem uma notável política de recusa de binary blobs em seus códigos, citando não apenas o potencial problema de erros indetectáveis de segurança mas também o cerceamento da liberdade e abertura de seu software. De fato, tal dito foi confirmado por uma informação veiculada em agosto de 2006, na convenção BlackHat USA. Havia um exploit em um driver wireless Atheros usada em um MacBook Pro.

Outro bug do mesmo gênero foi encontrado em um NVIDIA Binary Graphics Driver.

Outros projetos de sistemas operacionais, incluindo distros Linux e versões do BSD, aceitam binary blobs para cobrir funcionalidades inexistentes ou sem equivalente livre. Tais blobs incluem drivers desde arranjos RAID até placas de rede e gráficos. A FSF é ativamente contra binary blobs, apesar de algumas distros GNU/Linux os incluírem, a FSF tem uma lista de distros aprovados, estes contém exclusivamente software livre.

Para utilizar certos blobs de outros sistemas operacionais, certos projetos fazem wrappers para eles. Podemos citar o NDisWrapper para Linux e o Project Evil para FreeBSD E NetBSD, ambos implementando APIs para drivers NDIS da Microsoft.

Firmwares não são tidos como binary blobs, pois são copiados para o dispositivo e não são executados pelo sistema operacional nem pela CPU.

O projeto OpenBSD aceita firmwares, desde que a licença de uso assim permita.

Firmware, o software operacional requerido por um microcontrolador onboard que acompanha algum hardware, é geralmente não consistido para se tornar uma binary blob. Muitas vezes é arquivado na memória flash onboard, mas para diminuir custos e facilitar o upgrading, alguns manufatureiros agora usam firmware externa uploadeada no próprio sistema operacional, que é meramente copiado para o dispositivo e não executado, diminuindo a preocupação sobre falhas de segurança escondidas. O projeto OpenBSD aceita firmware binario em imagens e irá redistribuir a imagem se a licença permitir.


Considerações


O objetivo dessa matéria não é o de evangelizar ninguém, o único intuito aqui é o de compartilhar conhecimento.

Eu particularmente não vejo problemas em usar kernel com blobs, mas isso eu acredito que é algo particular de cada um, além de considerar super valido você experimentar esse kernel, fica a seu critério.


Instalação



recomendação:

Não tenha firmware proprietária de vídeo instalada, se tiver remova para evitar de o sistema não entrar na interface gráfica.


Repositório

Para adicionar o repositório do linux libre de os comandos abaixo no terminal.

Log como root.

su -

Adicione o espelho do repositório.

echo "deb https://mirror.cyberbits.eu/linux-libre/freesh freesh main" > /etc/apt/sources.list.d/linux-libre.list

Faça o download da chave do espelho e adicione a chave

wget -O - https://jxself.org/gpg.asc | apt-key add -


Atualize o apt.

apt update

Para instalar a ultima versão disponível de o comando abaixo.

apt install linux-libre linux-libre-headers

Atualmente a ultima versão disponível é a 4.17.

Você pode ver todas as versões disponíveis com o comando abaixo.

apt search linux-libre






Feita a instalação reinicie a maquina com o comando abaixo.

reboot

Ai está o Linux libre instalado.




Remoção



Caso você não goste ou tenha problemas, use os comandos abaixo para remover o linux libre.

Log como root.

su

Remova com o comando abaixo.

apt remove --purge linux-libre linux-libre-4.17 linux-headers-4.17.0-gnu linux-image-4.17.0-gnu

Remova os resíduos.

apt autoremove
Remova o repositório.

rm -fr /etc/apt/sources.list.d/linux-libre.list
Reinicie o computador.

reboot


Kernel original de volta ao uso.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Donation